You are currently viewing Os 4 modelos de governança de TI

Os 4 modelos de governança de TI

Os 4 modelos de governança de TI

Como no último artigo anterior, podemos notar que o Departamento de Tecnologia da informação pode contribuir e muito no que diz respeito a redução de custos.

O departamento de TI, vai muito além de espaço isolado, elementos como: softwares, servidores e toda a rede de computadores conectadas, compõem o TI de uma organização. Devendo ser levado todo esse contexto em consideração quando decidimos selecionar um modelo de governança de TI.

Sabemos que para gerir bem toda sua rotina e demanda existem meios, então é diante dos cenários típicos e atípicos que ao longo do tempo, vem sendo desenvolvidos cada vez mais métodos para a governança de TI. Que basicamente é o conjunto de regras e políticas que irão compor o gerenciamento mais adequado segundo seu: departamento, ramos dinâmica e afins. Desta maneira, isso diminuirá os riscos para um setor anexo e pouco envolvido nos processos e tomadas de decisões.

Modelos de Governança de TI:

Vale ressaltar que antes de um especialista bater o martelo sobre qual é o melhor modelo, é necessária uma análise meticulosa e seguir alguns procedimentos:

  1. Avaliar o ambiente de TI como um todo;
  2. Mapear itens e processos;
  3. Documentar conclusões e informações relevantes;
  4. Fazer pesquisas de mercado considerando preços e custo-benefício;
  5. Identificar pontos fortes e deficientes das ferramentas atuais;
  6. Propor soluções práticas e eficientes para resolver das questões pontuadas;
  7. Apresentar tudo isso como estratégia para a diretoria.

COBIT:

COBIT são as siglas para (Control Objectives for Information and Related Technology) em outras palavras é um dos modelos mais requeridos voltados a dinâmica de governança de TI, isso pois é um facilitador de controle, além de auxiliar o gerenciamento do uso dos meios tecnológicos da corporação.

Desde seu desenvolvimento, vem tido evolução, ficando cada vez mais robusto com a incorporação de padrões técnicos, profissionais e regulatórios.

Seu objetivo, visa a permissão das empresas no que diz respeito a gerenciar de maneira eficiente seus investimentos em tecnologia, com intuito de maximizar: benefícios, oportunidades de negócio e vantagens competitivas de mercado.

Para adotar esta metodologia é necessário o foco em quatro pilares: planejamento e organização, aquisição e implementação, entrega e suporte, monitoramento e avaliação.

Nestes moldes, este modelo conta com a aplicação de diversas boas práticas para o controle da informação, desde o planejamento até o monitoramento.

Benefícios:

  • Aumento da eficiência do TI
  • Melhora a segurança da informação
  • Otimiza ao investimentos no setor
  • Cria uma linguagem comum

Val IT:

O Val IT (Value of Information Technology) foi desenvolvido, com o intuito de contribuir com os gestores a garantir que empresas obtenham o máximo de retorno, segundo o que foi investido (ROI) em ti. Valeria dizer que este modelo seria um complemento ao COBIT, pois ambos reunidos proporcionariam um ciclo completo para a governança de TI. Para este modelo é necessário a divisão em três pilares: Governança de valor, gerenciamento de portifólio e gerenciamento de investimentos.

Como você pode notar este modelo segue muito o gerenciamento de vida do ciclo econômico.

Benefícios:

  • Melhor compreensão e transparência de custos;
  • Entendimento de custo-benefício, risco e benefício de implementação;
  • Aumento de probabilidade para uma melhor implementação de solução;
  • Maior concentração de controle em benefícios e investimentos;
  • Alinhamento de investimento de acordo com estratégias empresariais;
  • Melhor comunicação entre o TI e as demais áreas;

ISO/ IEC 38500

Essa norma, tem por objetivo fornecer algumas recomendações úteis, no que diz respeito a governança de TI. Acaba por listar boas práticas, técnicas de gerenciamento e monitoramento a fim de avaliar o ambiente de TI de cada empresa.

Apesar de não ser um objeto de certificação, ela traz conceitos bastante relevantes no que diz respeito a governança de TI. Essas normas podem ser aplicadas em empresas públicas e privadas e independente do porte.

Aqui seguem os seis pontos de atenção:

  1. Responsabilidade;
  2. Estratégia;
  3. Aquisição;
  4. Desempenho;
  5. Conformidade;
  6. Comportamento humano;

CMMI:

É a sigla para (Capacity Maturity Model Integration) que consiste em um conjunto de práticas importantes para processos eficientes, que visam a melhoria do desempenho do ambiente de Tecnologia.

Dentro este modelo existe outros 3 que podem ser implementados:

  • CMMI for Development (CMMI-DEV): Visa as melhores práticas para desenvolvimento de produtos e serviços;
  • CMMI for Acquisition (CMMI-ACQ): Tem o intuito de explicar as melhores aquisições de produtos e serviços;
  • CMMI for Services (CMMI SVC): Tem como principal objetivo fazer com que empresas entreguem os melhores serviços;

Caso queira entender, sobre as ferramentas que podem auxiliar no modelo de gestão que escolher, ficaremos feliz em lhe atender, clique aqui para ter uma conversa com nosso time.